E-Civil: Descomplicando a engenharia
Você está em: E-Civil » Artigos Técnicos

Spa Construtivo

O mundo evolui, mas, às vezes, também retrocede.

Nossos antepassados aprenderam, sentindo na própria pele, literalmente, como construir aproveitando os materiais disponíveis e desenvolvendo técnicas para melhor adequá-los ao meio-ambiente local. A análise das principais características de construções antigas, de várias regiões do mundo, demonstra que esse empirismo gerou resultados bastante eficientes, que, teorizados e sistematizados, hoje integram os conceitos da chamada "Arquitetura Bioclimática". Infelizmente, eles andaram esquecidos por muitos anos, preteridos por concepções arquitetônicas ou empresariais, que privilegiavam mais a forma e o lucro, que a funcionalidade e conforto ambiental. O resultado foi a produção, em larga escala e por vários anos, de torres, "caixotes" ou "esculturas", cuja preocupação alternava entre o mais barato e discreto, e o mais caro e chamativo possíveis. Ao mesmo tempo, ocorreu um distanciamento técnico progressivo entre os principais atores do processo: arquitetos e engenheiros; agravado pela inflação de empreendedores leigos no mercado da construção civil. Os projetos passaram a ser importados ou, simplesmente, copiados. A única semelhança entre esses extremos consistia na falta de conforto ambiental, compensada, por quem podia pagar, por um elevado e progressivo consumo de energia.

Só que um conceito não invalida, em absoluto, o outro! Tanto que, hoje, a evolução tecnológica, tanto de materiais quanto de sistemas, aliada às preocupações ambientais, tende a reaproximar técnicos e empreendedores. A nova meta é conciliar estética, funcionalidade e eficiência energética e, principalmente, custos de produção e manutenção racionalizados. Em suma, o mercado tende ao BBB: Bom, Bonito e Barato, com algumas variantes de estilo.

Mas... E as construções antigas? Dinamite nelas?

Bom, em alguns casos até que mereciam, só que, em tempos de Bush e Bin Laden, explosões em série não seriam muito bem recebidas... Mas para tudo tem um jeito, que vem na forma de técnicas de atualização estética e tecnológica de edificações. O "retrofit" – como é conhecido – pode corrigir falhas de concepção, bem como agregar novos materiais e tecnologias ao imóvel. Assim: fachadas podem ser incrementadas com sistemas que reduzam a transferência de calor para os ambientes internos; instalações elétricas arcaicas podem dar lugar a cabeamentos estruturados; vidros e películas podem aproveitar, convenientemente, as diferentes radiações solares; as águas servidas podem ser recicladas e as águas de chuva aproveitadas; sistemas inteligentes podem auxiliar na segurança e economia de recursos; e, por aí, vai...

Isto representa um enorme salto de qualidade! Só que na construção civil, como nas dietas para emagrecimento, o cardápio deve ser balanceado e personalizado. Afinal, não se trata de dar, apenas, "um banho de loja" na edificação ou leva-la ao palácio dos espelhos. Trata-se de um SPA construtivo, que envolve estudos multidisciplinares e integrados, além de exigir atualização constante de conceitos, técnicas, equipamentos e materiais. Caso contrário estaremos incorrendo no mesmo erro de repetir fórmulas ou modismos, de resultado efêmero e impacto negativo no mercado.

O cliente também muda de perfil: sai o empreendedor e entra o condômino!

Com essas variáveis, só há duas maneiras de justificar o dispêndio necessário: valorização do imóvel ou economia operacional. Mesmo assim, a decisão ainda depende do período de retorno do investimento. No caso do "retrofit", ambos podem ser conciliados, otimizados e "bem vendidos" mediante bons projetos.

Resumo da ópera: Estamos diante de um imenso, ávido e ainda pouco explorado mercado. Para atende-lo é preciso saber trabalhar em equipe e estar atualizado com o "estado da arte", para melhorar o estado da obra do cliente.

Materiais e sistemas inteligentes e econômicos estão à disposição! Eles podem, até, ser importados ou copiados. Mas a criatividade e inteligência dos técnicos têm que ser nossas?

Adilson Luiz Gonçalves
Engenheiro Civil, com especializações no "Institut Supérieur du Béton Armé", de Marselha-França, e no IBAPE - Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias em Engenharia. Professor do Curso de Engenharia, da UNISANTOS - Universidade Católica de Santos e da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da UNISANTA - Universidade Santa Cecília. Cronista, Articulista e Poeta.
Home page: http://www.algbr.hpg.com.br

Artigos relacionados

Vistorias cautelares: necessidade preventiva nas construções
Qual a empresa de construção civil que ao construir um prédio, em regiões onde predominam residências, não teve problemas com a vizinhança...

Reforma de imóvel com segurança
Pesquisas indicam que uma pessoa costuma fazer uma ou no máximo duas reformas em sua residência ao longo de toda uma vida. Provavelmente essa freqüência seja...

Quando tudo se encaixa
Planejamento rigoroso, padronização de procedimentos e algumas novas tecnologias podem garantir uma obra enxuta, rentável e sem desperdício. O canteiro do...

Padronização, base da qualidade
A sobrevivência humana depende há milhares de anos da padronização, claro que originalmente não era necessário registrar os processos padronizados, pois...

A estrutura ideal
A única premissa absoluta é que não existem limites absolutos, da mesma forma que não existe um único sistema ou um único material...

Comentários

Nenhum comentário sobre esta página. Seja o primeiro a comentar!

Deixe o seu comentário!


(não será publicado)



Pesquisar
Últimas do Fórum
Livros recomendados