E-Civil: Descomplicando a engenharia
Você está em: E-Civil » Artigos Técnicos

Umidade ascendente

São muitos os adquirentes de imóveis que sofrem (e construtores que recebem reclamações) por pulverulências de revestimentos em faixas inferiores de paredes térreas. A causa mais freqüente, desse dano, está vinculada ao fenômeno chamado umidade ascendente, sobre o qual é possível comentar:

Poucos construtores, professores e pesquisadores – hoje vinculados a obras civis convencionais – já ouviram falar de "papelão alcatroado"; e, dentre aqueles que ouviram, a esmagadora maioria está convicta de que se tratava, apenas, de "uma forma, muito antiga, de impermeabilizar vigas-baldrame".

Baseados nessa enganosa "certeza", muitos arquitetos, engenheiros, construtores, mestres-de-obras, etc, abandonaram aquele "idoso produto", passando a besuntar faixas superiores de baldrames com emulsões asfálticas (ou acrílicas), pois tal procedimento lhes pareceu "mais lógico", "mais prático" ou "mais moderno"...

Sucede, contudo, que estamos presenciando, há décadas, um flagrante e constrangedor equívoco técnico, cujas conseqüências têm sido suportadas por legiões de leigos - e indefesos - adquirentes de imóveis, e cujas conseqüências abrangem formações de fungos, recintos insalubres, alem de intermináveis tentativas de reparos, perícias técnicas e/ou demandas judiciais.

Com efeito, vejamos:

1 O concreto – sabidamente poroso – deve ser obvia e adequadamente impermeabilizado, contra a umidade do solo, seja por adição de densificadores, hidrófugos de massa ou por quaisquer outros processos assemelhados.

2 Ocorre que o literalmente banido papelão alcatroado desempenhava funções únicas, impossíveis de ser substituídas por emulsões, asfálticas ou sintéticas, e quaisquer outras películas selantes; de fato, cortado segundo largura folgadamente superior à do baldrame, o "esquecido" cartão sobrava para os dois lados, a saber:

2.1 Para o exterior: formando dente inclinado (apoiado em ripa chanfrada), que servia de gabarito ao emboço, que operava, depois, como pingadeira pluvial;

2.2 Para o interior: aba de 4 ou 5 centímetros, provisoriamente dobrada, para cima, até o lançamento do lastro; esta dobra servia "APENAS", para retornar à horizontal – antes do lançamento do contrapiso – cobrindo (vedando) a interface baldrame x lastro, onde surgem, fatalmente, fissuras capilares por retração deste último.

3 Ora, a umidade retida no solo (seja pelo perfil do terreno e suas vizinhanças, seja por drenagem insuficiente, etc.) tende a ascender pelas interfaces desprotegidas e pelas paredes (tijolos, chapisco, emboço, reboco), gerando pulverulências em argamassas e ruínas em pinturas (tinta acrílica sofre bolhas).

Como se vê, a construção civil urbana brasileira ainda não se deu conta de que trocou um produto comprovadamente eficaz (e baratíssimo !) por emulsões vedantes literalmente inúteis (e bem mais caras). A prática em patologias construtivas revela que os diagnósticos se formam, quase sempre, a partir do exame de geometrias ou de procedimentos tradicionais faltantes, com realce para aqueles atropelados (esquecidos) pelo distanciamento teórico das cátedras acadêmicas e pela flagrante desinformação técnica hoje observada nos canteiros de obras.

Sylvio Nogueira é arquiteto, formado em 1966, bolsista do governo alemão (Technische Hochschule Stuttgart), ex-professor universitário (PUC/PR-Tecnologia das Construções) e perito em defeitos da construção civil, com larga experiência na elaboração e coordenação de projetos, supervisões de obras (Brasil, Paraguay e Bolívia), laudos, perícias e assistências técnicas em ações judiciais, envolvendo condomínios (ou proprietários individuais) e empresas construtoras. Presta, também, consultorias para tomadas de preços, minutas de contrato e fiscalizações de reformas. A primeira visita ao cliente é gratuita (somente para imóvel situado em Curitiba), destinando-se à exibição de trabalhos anteriormente elaborados, referências de clientes atendidos e coleta de dados para apresentação da proposta de honorários. Atendimentos no interior, no litoral e em outros Estados, serão agendados segundo as urgências dos problemas prediais envolvidos, deslocamentos e hospedagens. E-mail: snogueira@bbs2.sul.com.br

Artigos relacionados

Casas Antigas merecem respeito
Restaurações de casas antigas, para fins de comércio, converteram-se em tarefas, muito freqüentes, e desafiadoras, para arquitetos, decoradores, “designers”...

Defeitos em Edifícios
Para quem mora em edifícios, não é novidade: vira e mexe, lá vem mais uma quantia extra, adicionada à taxa de condomínio, por conta de alguma reforma...

Divisórias de Gesso Acartonado: consumidor brasileiro está desinformado
Impossível negar que as divisórias de gesso acartonado vieram para ficar, pois suas características e virtudes - funcionais ou estéticas - são inquestionáveis...

Moradia: Cuidado com a "Terceira Pele"
O jornal "Folha de São Paulo" publicou um artigo, recente, no qual aborda a expressão "Terceira Pele" para identificar a moradia do ser humano. Ou seja...

Afinal: "Pastilhar" ou não "Pastilhar"?
Muitos condomínios, em prédios antigos, preocupados em dar uma roupagem moderna e nobre à construção - alem, é claro, de...

Comentários


A falta de interesse do profissional da área (arquitetos e engenheiros) em buscar recomendações técnicas a profissionais especialistas causa futuras dores de cabeça aos proprietários da obra. É evidente que tais profissionais precisam estar atualizados enquanto a área da construção, mas é fundamental que haja questionamentos aos materiais lançados pelo mercado atual. Nem sempre os atuais são mais eficientes do que os antigos.

Comentado por Marcel em 2015-04-21 16:27:04

Deixe o seu comentário!


(não será publicado)



Pesquisar
Últimas do Fórum
Livros recomendados