E-Civil: Descomplicando a engenharia
Você está em: E-Civil » Artigos Técnicos

Tipos de Cimento Portland

Hoje o cimento portland é normalizado e existem onze tipos no mercado:

  • CP I – Cimento portland comum
  • CP I-S – Cimento portland comum com adição
  • CP II-E– Cimento portland composto com escória
  • CP II-Z – Cimento portland composto com pozolana
  • CP II-F – Cimento portland composto com fíler
  • CP III – Cimento portland de alto-forno
  • CP IV – Cimento portland Pozolânico
  • CP V-ARI – Cimento portland de alta resistência inicial
  • RS – Cimento Portland Resistente a Sulfatos
  • BC – Cimento Portland de Baixo Calor de Hidratação
  • CPB – Cimento Portland Branco

Cimento Portland comum (CP-I)

O CP-I, é o tipo mais básico de cimento Portland, indicado para o uso em construções que não requeiram condições especiais e não apresentem ambientes desfavoráveis como exposição à águas subterrâneas, esgotos, água do mar ou qualquer outro meio com presença de sulfatos. A única adição presente no CP-I é o gesso (cerca de 3%, que também está presente nos demais tipos de cimento Portland). O gesso atua como um retardador de pega, evitando a reação imediata da hidratação do cimento. A norma brasileira que trata deste tipo de cimento é a NBR 5732.

Cimento portland comum com adição (CP I-S)

O CP I-S, tem a mesma composição do CP I (clínquer+gesso), porém com adição reduzida de material pozolânico (de 1 a 5% em massa). Este tipo de cimento tem menor permeabilidade devido à adição de pozolana. A norma brasileira que trata deste tipo de cimento é a NBR 5732.

Cimento portland composto com escória (CP II-E)

Os cimentos CP II são ditos compostos pois apresentam, além da sua composição básica (clínquer+gesso), a adição de outro material. O CP II-E, contém adição de escória granulada de alto-forno, o que lhe confere a propriedade de baixo calor de hidratação. O CP II-E é composto de 94% à 56% de clínquer+gesso e 6% à 34% de escória, podendo ou não ter adição de material carbonático no limite máximo de 10% em massa. O CP II-E, é recomendado para estruturas que exijam um desprendimento de calor moderadamente lento. A norma brasileira que trata deste tipo de cimento é a NBR 11578.

Cimento portland composto com pozolana (CP II-Z)

O CP II-Z contém adição de material pozolânico que varia de 6% à 14% em massa, o que confere ao cimento menor permeabilidade, sendo ideal para obras subterrâneas, principalmente com presença de água, inclusive marítimas. O cimento CP II-Z, também pode conter adição de material carbonático (fíler) no limite máximo de 10% em massa. A norma brasileira que trata deste tipo de cimento é a NBR 11578.

Cimento portland composto com pozolana (CP II-F)

O CP II-E é composto de 90% à 94% de clínquer+gesso com adição de 6% a 10% de material carbonático (fíler) em massa. Este tipo de cimento é recomendado desde estruturas em concreto armado até argamassas de assentamento e revestimento porém não é indicado para aplicação em meios muito agressivos. A norma brasileira que trata deste tipo de cimento é a NBR 11578.

Cimento portland de alto-forno (CP III)

O cimento portland de alto-forno contém adição de escória no teor de 35% a 70% em massa, que lhe confere propriedades como; baixo calor de hidratação, maior impermeabilidade e durabilidade, sendo recomendado tanto para obras de grande porte e agressividade (barragens, fundações de máquinas, obras em ambientes agressivos, tubos e canaletas para condução de líquidos agressivos, esgotos e efluentes industriais, concretos com agregados reativos, obras submersas, pavimentação de estradas, pistas de aeroportos, etc) como também para aplicação geral em argamassas de assentamento e revestimento, estruturas de concreto simples, armado ou protendido, etc. A norma brasileira que trata deste tipo de cimento é a NBR 5735.

Cimento portland Pozolânico (CP IV)

O cimento portland Pozolânico contém adição de pozolana no teor que varia de 15% a 50% em massa. Este alto teor de pozolana confere ao cimento uma alta impermeabilidade e consequentemente maior durabilidade. O concreto confeccionado com o CP IV apresenta resistência mecânica à compressão superior ao concreto de cimento Portland comum à longo prazo. É especialmente indicado em obras expostas à ação de água corrente e ambientes agressivos. A norma brasileira que trata deste tipo de cimento é a NBR 5736.

Cimento portland de alta resistência inicial (CP V-ARI)

O CP V-ARI assim como o CP-I não contém adições (porém pode conter até 5% em massa de material carbonático). O que o diferencia deste último é processo de dosagem e produção do clínquer. O CP V-ARI é produzido com um clínquer de dosagem diferenciada de calcário e argila se comparado aos demais tipos de cimento e com moagem mais fina. Esta diferença de produção confere a este tipo de cimento uma alta resistência inicial do concreto em suas primeiras idades, podendo atingir 26MPa de resistência à compressão em apenas 1 dia de idade. É recomendado o seu uso, em obras onde seja necessário a desforma rápida de peças de concreto armado. A norma brasileira que trata deste tipo de cimento é a NBR 5733.

Cimento Portland Resistente a Sulfatos (RS)

Qualquer um dos tipos de cimento Portland anteriormente citados podem ser classificados como resistentes a sulfatos, desde se enquadrem dentro de uma das características abaixo:

  • Teor de aluminato tricálcico (C3A) do clínquer e teor de adições carbonáticas de no máximo 8% e 5% em massa, respectivamente;
  • Cimentos do tipo alto-forno que contiverem entre 60% e 70% de escória granulada de alto-forno, em massa;
  • Cimentos do tipo pozolânico que contiverem entre 25% e 40% de material pozolânico, em massa;
  • Cimentos que tiverem antecedentes de resultados de ensaios de longa duração ou de obras que comprovem resistência aos sulfatos.

É recomendado para meios agressivos sulfatados, como redes de esgotos de águas servidas ou industriais, água do mar e em alguns tipos de solos.


Artigos relacionados

O cimento Portland
O cimento é um dos materiais de construção mais utilizados na construção civil, por conta da sua larga utilização em diversas fases da construção. O cimento pertence a classe dos...

Composição dos cimentos Portland
O processo produtivo do cimento portland se divide na produção do clínquer portland e na produção de pozolana (argila ativada). As etapas do processo de produção do...

Rochas
Rocha (ou popularmente pedra ou calhau para um pedaço solto de rocha) é um agregado natural composto de alguns minerais ou de um único mineral...

História do cimento
Tecnicamente, podemos definir cimento como um pó fino, com propriedades aglomerantes, aglutinantes ou ligantes, que endurece sob a ação de água...

Aglomerantes hidráulicos
O cimento é um dos materiais de construção mais utilizados na construção civil, por conta da sua larga utilização em diversas fases da construção. O cimento...

Comentários

resistencia do cimento
posso fazer uma estrutura armada com vigas e colunas e lage com o cp 4?

Comentado por marcos em 2014-09-02 11:10:53

Dúvida.
Eu sou engenheiro civil e trabalho na Subprefeitura de São Mateus. Em nossa região, para a zeladoria da região utilizamos e compramos um tipo de cimento, o CP II (qual dos três não Sei) e gostaria de saber, por haver em nossa região, reformas de saneamento, onde tem bastante contato com esgotos ou água servida, que é danoso à argamassa e assim gostaria de saber qual é o melhor cimento : CP II - Z ou CP III ou mesmo CP IV.

Comentado por Carlos Tatsuo Hoshii em 2013-10-07 14:09:44

Erro
Lá no texto está assim"Cimento portland composto com pozolana (CP II-F) O CP II-E é composto de 90% à 94% de clínquer+gesso com adição de 6% a 10% de material carbonático (fíler) em massa..." Desculpe-me, mas vcs colocaram Cimento portland composto com pozolana (CP II-F) em negrio, depois escreveramCP II-E e ainda colocaram que ele é com filer? Vcs não cometeram algum engano?

Comentado por Mirian Vetere em 2011-10-04 16:07:21

Tabela de resistência de cimento
São muito bons os esclarecimentos sobre os tipos de cimento apresentados acima, porém se houvesse uma tabelinha resumida com os tipos de cimento, finalidade e a resistência em 24h, 3 dias, 7 dias e 28 dias, seria ainda melhor. Obrigado.

Comentado por BERNARDO CARDOZO DE SOUZA em 2011-09-20 03:39:51

Consulta de Preços
Gostaria de consultar o preço médio por estado do país!!!

Comentado por Alessandro Lucas em 2011-09-07 22:37:01

boas publicações
Prezado, me indicaram este endereço eletronico como um dos melhores, percebi a responsabilidade dessas informações, seria possível fazer quationamentos sobre assuntos publicados e a ser pesquisado por usuário ?

Comentado por Klinger batista em 2011-08-28 20:33:42

escorias
Observa-se que é fundamental sabermos o processo de produção da escória, visto que as variações na composição química resultam em variações nas propriedades do material. O grande problema da escória de aciaria está na sua expansibilidade causada pela presença de óxidos na composição química, por isto existe uma grande quantidade de tratamentos para reduzir a expansibilidade do material. Ainda não existe um tratamento padrão para o uso da escória na construção civil, mas todos os tratamentos visam a eliminação ou diminuição a taxas adequadas dos óxidos presentes na escória.

Comentado por Evaristo Matos em 2011-08-06 09:39:47

Deixe o seu comentário!


(não será publicado)



Pesquisar
Últimas do Fórum
Livros recomendados