E-Civil: Descomplicando a engenharia
Você está em: E-Civil » Artigos Técnicos

O amianto

O amianto, também conhecido como asbesto, é uma designação comercial genérica para a variedade fibrosa de seis minerais metamórficos de ocorrência natural e utilizados em vários produtos comerciais. Trata-se de um material com grande flexibilidade e resistências tênsil, química, térmica e elétrica muito elevadas e que além disso pode ser tecido.

O amianto é constituído por feixes de fibras. Estes feixes, por seu lado, são constituídos por fibras extremamente finas e longas facilmente separáveis umas das outras com tendência a produzir um pó de partículas muito pequenas que flutuam no ar e aderem às roupas. As fibras podem ser facilmente inaladas ou engolidas podendo causar graves problemas de saúde.

Minerais asbestiformes

Os seis minerais asbestiformes pertencem a dois grupos principais:

Grupo da serpentina
  • Crisótilo
Grupo das anfíbolas
  • Crocidolite
  • Amosite
  • Antofilite asbestiforme
  • Tremolite asbestiforme
  • Actinolite asbestiforme

As fibras de crisótilo são enroladas enquanto que as fibras de amianto de anfíbolas são cilíndricas.

Os vários minerais do grupo das anfíbolas diferem uns dos outros nos teores de cálcio, magnésio, sódio e ferro neles contidos. Tanto os minerais do grupo da serpentina como os do grupo das anfíbolas ocorrem em variedades fibrosas e não fibrosas, sendo as variedades fibrosas designadas amianto. Têm sido identificadas variedades asbestiformes de várias outras anfíbolas.

Produção mundial de amianto

Em 2005 a produção mundial de amianto rondou as 2500 toneladas, sobretudo de crisótilo, sendo os maiores produtores, em ordem decrescente: Rússia, China, Cazaquistão, Canadá e Brasil.

Propriedades

O amianto é resistente ao calor até 1000 graus e contra ácidos moderados e tem uma resistência à tracção ainda maior que fios de aço com igual perfil. Em temperaturas acima dos 1200 graus ºC, o amianto transforma-se em Olivina e suas variedades.

Usos e aplicações



Usos na antiguidade

Usado na antiguidade em mechas de lanternas, a resistência do amianto ao fogo é desde há muito aproveitada para uma variedade de propósitos. Foi utilizado em tecidos mortuários no antigo Egipto bem como para fazer uma toalha de mesa para Carlos Magno, que de acordo com a lenda este atirou ao fogo para a limpar.

Usos modernos

O amianto foi utilizado em mais de 3000 produtos, havendo aplicações específicas para os diferentes tipos.

Grupo da serpentina

O crisótilo é o mineral mais utilizado na produção de amianto. As suas aplicações são inúmeras incluindo:

  • revestimentos de travões e embraiagens de automóveis
  • revestimentos e coberturas de edifícios
  • gessos e estuques
  • revestimentos à prova de fogo
  • vestimentas de protecção à prova de fogo
Grupo das anfíbolas
  • tubagens e coberturas de edifícios (misturado com cimento)
  • isolamentos térmicos e acústicos
  • revestimentos de tecto

Patologias causadas por amianto

Já em 1898 o inspetor-chefe de fábricas no Reino Unido relatava ao parlamento no seu relatório anual os efeitos malignos do pó de amianto. Nele afirmava que a natureza aguçada como vidro das partículas quando presentes no ar em qualquer quantidade é nociva, como se deveria esperar. Em 1906 uma comissão do parlamento britânico confirmou os primeiros casos de morte causada por amianto e recomendou que fosse melhorada a ventilação nos locais de trabalho, entre outras medidas. Em 1918 uma companhia de seguros dos Estados Unidos efetuou um estudo que demonstrava a ocorrência de mortes prematuras na indústria do amianto e em 1926 a comissão de acidentes industriais de Massachusetts concedeu pela primeira vez a um trabalhador doente da indústria o direito à primeira compensação por doença causada por amianto. Muitos dos afetados pela exposição ao amianto nos Estados Unidos trabalhavam na construção naval durante a Segunda Guerra Mundial.

Os problemas com o amianto surgem quando as fibras se dispersam no ar e são inaladas. Devido ao tamanho das fibras, os pulmões não conseguem expeli-las [Casarrett & Doull's Toxicology (2001), pp 520-522].

Entre as doenças causadas pelo amianto incluem-se:
  • Asbestose - Inicialmente diagnosticada entre trabalhadores da indústria naval dos Estados Unidos, a asbestose consiste de lesões do tecido pulmonar causadas por um ácido produzido pelo organismo na tentativa de dissolver as fibras. As lesões podem tornar-se extensas ao ponto de não permitirem o funcionamento dos pulmões. O tempo de latência (período que a doença leva a manifestar-se) é geralmente 10 a 20 anos.
  • Mesotelioma - Um câncer do revestimento mesotelial (pleura) do pulmão. A única causa conhecida é a exposição ao amianto. O período de latência do mesotelioma pode ser de 20 a 50 anos. A maior parte dos doentes morre em menos de 12 meses após o diagnóstico.
  • Câncer - Câncer do pulmão, do trato gastrointestinal do rim e laringe foram associados ao amianto. O período de latência é muitas vezes 15 a 30 anos.
  • Verrugas de amianto - produzidas quando fibras aguçadas se alojam na pele sendo recobertas por esta causando crescimentos benignos semelhantes a calos.
  • Placas pleurais - espessamento de parte da pleura visível por meio de radiografias em indivíduos expostos ao amianto.
  • Espessamento pleural difuso - semelhante à anterior. Geralmente assintomática, pode causar perda de capacidade respiratória se a sua extensão for grande.

Riscos da exposição ao amianto

Quase todas as pessoas são expostas ao amianto nalgum momento das suas vidas. No entanto, a maioria das pessoas não adoece em conseqüência dessa exposição. As pessoas que adoecem devido à exposição ao amianto são geralmente aquelas expostas de forma regular, a maior parte das vezes no seu posto de trabalho em que contatam diretamente com o material ou através de contacto ambiental substancial.

Proibição

Devido a asbestose, algumas localidades no Brasil e no mundo já baniram o amianto. A sua comercialização e, em alguns casos, a produção já foi proibida permanentemente.

Substitutos do amianto

Como conseqüência da proibição quase generalizada de utilização de amianto têm surgido numerosos materiais como seus possíveis substitutos. No entanto, nenhum deles se mostrou tão versátil como o amianto. Alguns dos materiais substitutos são: silicato de cálcio, fibra de carbono, fibra de celulose, fibra cerâmica, fibra de vidro, fibra de aço, wollastonite, aramida, polietileno, polipropileno, politetrafluoretileno. Em aplicações que não requerem as propriedades de reforço das fibras perlite, serpentina, sílica e talco.

Comentários

Parabns
Excelente artigo. Esclarecer que existem tipos e quais ainda so de livres utilizao e seus riscos para sade de suma importcia.

Comentado por Maria em 2018-05-06 18:27:35

trabalho pesquisado sobre o amianto
Ajudou muito com as pesquisas a respeito do mineral, muito bem resumido e explicado, OBG!!!

Comentado por Dhefferson em 2018-02-21 10:14:43

amianto
se uma casa tem telhas de ternite com amianto se colocar um forro de geso por baixo ajuda?

Comentado por marcelo em 2017-12-10 14:34:53

Amianto
no Brasil esta proibido o uso do Amianto abestose, mas a crisotila está liebrada. Esse artigo está maravilhoso

Comentado por Janine em 2011-10-13 09:25:41


Muito Bom o Artigo... Vai me ajudar muito.. Vlw Galera!!

Comentado por theo em 2011-07-24 17:09:15

Deixe o seu comentário!


(não será publicado)



Pesquisar
Últimas do Fórum
Livros recomendados